Sina de Poeta

Frederico Amitrano

Sina de Poeta

O poeta é como um missionário

Que prova dos sabores de sofrimentos de versos

Como a madeira que se transforma em objeto direto

Das lixas das mãos de Deus, seu marceneiro

 

Pois quando um poeta cria

De simples palavras cruas

Uma simples poesia

Ele lixa cada frase

Exclama, virgula, pontua e põe crase

Nas mínimas lembranças suas

 

De amores impossíveis são feitos os poemas

Que germinam da mente desse asceta

Que não reclama e nem blasfema

De sua sina de ser poeta

 

Obra registrada na Biblioteca Nacional

 

Atualmente não há comentários relativos a este artigo. Você tem uma honra especial para ser o primeiro comentarista. Obrigado!

Deixe um comentário